Nerd e encalhada - primeiro capitulo

Tudo deve ter começado no dia que nasci. Minha mãe jura que não nasci de óculos e nem usando uma saia de freira; mas tenho cá minhas dúvidas. Tipo, sem óculos não enxergo um palmo a frente do rosto, literalmente; e no meu guarda roupa só tenho saias que servem tão bem em minha vó, que as vezes ele me pede roupa emprestada. Não que eu seja fora de moda, mas quem compra minhas roupas é minha mãe, já que meu nível de nerdeza é tão alto, que não tenho tempo para ir a um shopping de verdade. Aff, ser nerd é um 'ó'. Porque, meu Deus, eu tive que nascer nerd?

Minha família é uma completa loucura. Pense só, ter quatro irmãos mais velho que você... pior é que nenhum deles parece ter algum juízo. Cansei de ter de ir na diretoria do colégio para tentar controlar os ataques repentinos de fúria que Caio, o terceiro mais velho do grupo, tem quase sempre. Também cansei de ter de ajudar as namoradas de Lucas, o mais velho de todos, a entender o que ele quis dizer com 'você é supimpa, a maior vaca louca', um termo que, acredite se quiser, ele usa com constante freqüência enquanto está ao lado das namoradas; dizendo ele que isso quer dizer que a pessoa é gente boa, bonita, enfim, essas coisas que não tem nada a ver com 'vaca louca'. Nunca contei, mas tenho quase certeza que ele já teve 20 namoradas só esse ano; o caro é louco, pode crer.

Além desses pirados, tenho os outros dois irmãos, Fred e Frod, que são gêmeos e são mais novos que os outros, mas mais velhos que eu. Esses dois são os mais normais da família. O único problema deles, é claro, é que são tão nerds, ou talvez pior, que eu. Passam o dia num computador, e tenho até medo de um dia a polícia aparecer na porta aqui de casa por causa de hackeamento . Eles são capazes de roubar um banco com a inteligência que possuem. Fora isso, algo não muito normal neles é que nunca tiveram uma namorada sequer. Pois é, enquanto um irmão teve mais de cem namoradas durante a vida, esses dois só namoraram com uma garota virtual que criaram a alguns anos atrás. Mas, mesmo essa, logo foi descartada já que eles disseram que ela era uma tarada, porque queria ficar com os dois ao mesmo tempo.


Desci pra tomar meu café da manhã. Malmente abri a porta do meu quarto, que graças a Deus é só meu, e já vejo a correria de meus irmão pra se arrumar pro primeiro dia de aula. Meus irmãos, que possuem mais de 15 anos e estão no ensino médio, mais parecem crianças enquanto comem o cereal matinal se melando todo. Sem contar a músiquinha hippie que passa pela cozinha no momento que cruzo a porta. É, esqueci de dizer que meus pais são hippies de primeira classificação. Só tomam banho porque eu fiz eles compreenderem que se não tomassem banho as árvores se sentiriam sufocadas e não ajudariam a abrir suas 'áureas'.

Por mais que eu não queira, como rapidamente com medo de pegar a loucura desse povo que está comendo ao meu lado. É aterrorizante, pensar que a qualquer momento Caio pode surtar, ou a polícia bater em sua porta, ou ainda os pais de alguma namorada ofendida bater em sua porta pra te dizer desaforo pensando que 'vaca louca' é um xingamento ou sei lá o quê. Tenho a consciência de andar bem longe deles, e fingi que não os conheço, enquanto pego o caminho pro colégio. Não preciso nem andar muito e já estou de frente ao prédio no qual estudarei o resto do ano.

Nada parece ter mudado. Paredes brancas bem pintadas, crianças correndo pra lá e para cá parecendo uns malucos, adolescentes se agarrando na porta do colégio... é, tudo parece igual demais pro meu gosto. Bem que seria legal ir a escola no primeiro dia de aulas pra reencontrar seus amigos e tal; isso se eu tivesse amigos. Não gosto de ser notada... e sou ótima nisso.

Dei alguns passos pelo corredor impecável e já ouço a voz que odeio. Ah, não, ainda estamos no primeiro dia! Os 'bonzanos' se aproximam de mim com rapidez e com sorrisinhos odiáveis nos rostos. Os bonzanos são os piores 'valentões' do colégio, e seu brinquedinho favorito é alguém chamada Yuli, ou seja, eu.

- Olha só quem encontramos no primeiro dia de aula... nosso brinquedinho favorito. Sabia que senti saudade de te bater, durante as férias.

Aiaiaiaiai, não estou gostando disso. Mas não respondi. Seria um papel bem mais idiota se eu tivesse falado algo. Simples, eles me batem, eu não grito, ninguém ver, e todos seguimos nossa vida para que no dia seguinte eles façam a mesma coisa. Se bem que eles não me bateemmm de verdade, somente me chateiam, roubam minha merenda, e somem com meus livros; o que mostra que são bem crianções já que temos 14 anos.

Minha vida é assim... nada de especial. Os dias passam e vejo tudo passando como num filme em constante replay. Sempre as mesmas pessoas. Sempre os mesmos casos. E eu, sempre com o mesmo corpo franzino, cabelo lambido, óculos fundo de garrafa, e... as saias. Acho que vou criar uma comunidade no orkut:' vamos botar fogo nas saias!'.

E assim, quando vou entrando na sala e pensando 'nada na minha vida muda', algo de fora da rotina acontece...

- Ei, garota, me diz, onde arranjo alguém pra me mostrar alguma coisa nesse colégio? - perguntou-me o garoto, ou será que era um anjo?

Fiquei sem fala por um tempo, até percebi que estava parecendo um bebe babão. Clareei a garganta e falei:

-Se quiser, eu te mostro.

- Sério?

Afirmei com a cabeça, como um cachorrinho faz com seu dono. Porque ele tinha de ser tão lindo?

- Meu nome é Victor, e o seu é...?

- Anh... - pensei um pouco. De repente, esqueci meu proprio nome, mas que droga, - Yuli. Yuli Dirpe.

- Ok. - disse ele sorrindo pra mim. Ele com certeza é um anjo, porque já vi fotos desses seres e os sorrisos são identicos. Aliás, tudo nele é igual ao de um anjo.


..............Continua....................

Esse é o primeiro capitulo da mais nova estória, Nerd e encalhada. Gostou? Achou tão terrivel que quase quis quebrar a tela do pc? Tá afim de me lixar? Pode comentar e dizer o que achou ;)
Futuramente melhoro a estória, e tal, e se vocês quiserem podem dar dicas para pôr na estória.

Atééééhhhhh

Um comentário: