As palavras de um diário.



"Olhei para o céu. Vi tudo com meus próprios olhos. As estrelas picotam o céu com seu brilho fraco, quase sumido; e fico a analisar o topo do mundo por mais algum tempo, percebendo que não respiro. Os pontos luminosos do céu tiraram meu ar, e não querem me devolver. Não insisti, deixei que eles levassem uma parte mim para o infinito que tanto admiro; deixei que eles continuassem a retirar meu, e agora não só meu, ar.
Meus olhos vidrados no céu perceberam um breve movimento. Vi um morcego cortar o céu imponente, obscuro, achando que sua presença não havia sido percebida: sou sua platéia particular. A surpresa tirou o restante do meu oxigênio; senti ele fluir pela minha garganta e se libertar levemente, sem pressa: as estrelas continuam furtando meu ar; ou será que dessa vez o culpado foi o morcego? Este parecia ter sido o ato final da peça, ou o detalhe mais importante da pintura. Ele deu vida extra e obscuridade, tudo ao mesmo tempo, ao mesmo céu de todos os dias. Ao céu que me observa diariamente."

Ela lia o que tinha no papel até cansar. Ela poderia ter tornado aquilo menos triste, a vida daquela garota. Poderia ter dado mais valor aos seus costumes, e agora parece que nada que fez para a garota era suficiente... Ela era sua filha, teria sido bom trata-la assim ao menos uma vez. Como chegara àquele ponto? Não adiantava responder à essas questões, porque a menina não estava mais com ela. Ela fugira de seus braços. Onde poderia, sua garotinha tão frágil, estar agora? Onde estava, naquela época em que a tinha nos braços, seu amor de mãe? Escondido, talvez. Mas agora, agora quando já era tarde, ela a queria para si. Tinha raiva do homem que a levou, sem nem ao menos pedir autorização. Quem ele achava que era? Com certeza, alguém mais capaz de amar a garota, em comparação com a mãe da mesma. Não entendo isso.
Mas agora, seu unico consolo era ler o diário da garota. Ler suas fantasias, e senti-la presente. Não podia mais tirá-la de onde estava, porque agora... agora ela estava ao lado do marido, no céu. Se ela, como mãe, tivesse impedido o casamento de ambos, será que ainda teria sua filha em seus braços, e que ainda faria tudo igual à antes? Agora ela, como mãe, sabia que seus conselhos estavam todos errados; sabia que tirara da garota sua essência mais importante, sua inocência tão linda. Sentia-se mal por isso, mas nada havia para fazer agora... O agora já é tarde demais.

Fatos que não conseguia esquecer: sua filha morreu feliz, ao lado de seu marido, atropelados por um bêbado fora da lei, num feriado comum e cheio de hipócrisia. Agora ela sabia em quem botar a culpa: na própria cidade em que morava. A odiava. Mas não conseguia sair dali, porque era naquele local, naquele triste local, que as lembranças de sua filha pareciam mais vivas. Agora só restava mesmo isso, uma esmola para que ela se sentisse menos só: as lembranças que vira, e não participara, de sua filha. As lembranças que poderia ter sido também suas...
Nunca achou que as palavras lhe seriam tão importantes: agora elas lhe revelava o que nunca chegou a ser interessante sobre sua filha.
Já é tarde para ela mudar a história, mas não para torná-la importante.


--------------------------------------------


Até que enfim resolvi aparecer, né? ^^'
Não sei se vocês conseguiram entender o texto, porque achei-o um tanto confuso... O inicio dele, aquela citação do diário da garota, na verdade foi retirada de meu próprio diário; logo no finalzinho do meu diário do ano passado.
Já o fato da história em si... Acho que tive essa ideia ao ver algumas cenas em minha própria cidade, em que algumas mães pareciam nunca estarem felizes o suficiente com suas filhas, até que elas partiram.


Espero que tenham gostado ^^'
Bom domingo.

8 comentários:

  1. Que lino one-chan(chorei),não ficou confuso (só um tikinho de nada).
    Muito lindo adorei,muito mesmo.
    Santa criatividade. ;)

    ResponderExcluir
  2. Eu achei muito emocionante e lindo, de uma certa forma triste.
    Lembro-me que lí um livros há uns anos atras, onde era mais ou menos um diario de uma menina louca. E a forma que ela via as coisas da vida era fascinante!
    Como sempre você aparece com um belo texto para refltimos. Eu adoro vir aqui e le-los!
    Bom Domingo florzinha!
    Minha estrela brilha por você *.~*.~* !!!!

    ResponderExcluir
  3. Seu diário deve ser lindoo!
    Eu fico admirada com o jeito que você escreve, com algumas palavras você deixa tudo tão encantador e espetacular!
    Nossa acho que você nasceu para escrever! Isso que eu chamo de dom.

    www.ironiabd.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. é aquela coisa, só damos valor quando perdemos.
    :(
    às vezes nos quase perdemos, nos dão uma segunda chance e cometemos o mesmo erro, de novo.
    Bem, não fui eu que cometi esse erro, e eu sempre a perdoo. Ela até comentou isso: você perdoa com tanta facilidade...
    eu não sei bem porquê, talvez porque eu queira ser perdoada, quero ter uma segunda chance para certas coisas, certas coisas que não preciso que as pessoas envolvidas morram para perceber o erro e querer corrigí-lo.
    Eis um simples fato: fomos falhos.
    Ju

    ResponderExcluir
  5. Eu não sei se você viu, mas eu mudei o endereço do meu blog, agora é juuualmeida.blogspot.com
    Beijo, Ju

    ResponderExcluir
  6. nem sei porque eu sumi do mundo do blog por tanto tempo, estava com saudades desses teus textos, muito bom vim aqui novamente, espero não ficar mais tanto tempo sumida ^^'
    e sobre o texto , aah cara linddddoo como sempre e pensar que no inicio vc não acreditava neles ^^
    e seu diário deve ser fascinante :]
    bjos,

    ResponderExcluir
  7. Adoro contos sem o cliche do final feliz,...muito excelente!
    Inté!

    ResponderExcluir
  8. O começo do diário, acho que foi algo bem pessoal mesmo pq eu realmente dei uma boiada. xD
    Mas o resto ficou bem claro e eu achei o post perfeito. Interessante você tirar inspiração de coisas cotidianas pra escrever. É mesmo assim, as mães realmente reclamam de mais e quando as filhas ou os filhos se vão, sentem falta. _o_
    Depois adolescentes é que são complicados! xD
    Bom adorei a "moral" da história e o final melancólico com vestígios de esperança. ^^'

    ;*

    OBS: Desculpe mais uma vez pelo comentário mega atrasado... dia 10 foi meu aniversário e hj é o aniversário do meu pai, então a semana foi meio corrida. x_x'

    http://caixinha-de-tudo.blogspot.com/

    ResponderExcluir