Dinheiro, pessoas e a falta de tempo

O ritmo da cidade me assusta. Ele parece me deixar, constantemente, para trás. Os carros passam rapidos ao meu lado, cortando o cinza da pista; pessoas se empurram, se batem, enquanto correm nos passeios. Tenho medo de ser atropelada por eles, pelos seus ritmos constantes e velozes. Aqueles que correm, os que dirigem, são rostos anonimos; são pessoas que possuem obrigações. Obrigações. Ambições. Eles não se importariam de se desculpar ao se debaterem comigo, na rua, porque eu não sou importante para eles. Ninguém é importante para eles, a não ser o pequeno circulo social que os mesmos criaram - e as vezes nem isso. Nada é importante. O tudo, para tais pessoas, é somente... tudo. Nada que deva preocupá-los muito.
É ensinado desde sempre: tempo é dinheiro; e dinheiro... só saiba que o dinheiro é importante.
        As crianças que vagam nas sinaleiras, clamam por atenção, passam despercebidas pelos empresarios. Eles correm pra cumprir mais um compromisso - as crianças, as que eles derrubm enquanto correm - não fazem parte de sua agenda lotada. Eles não possuem tempo para ajudar. Eles não possuem tempo pra nada. Não possuem tempo... Não possuem tempo?! É disposto para eles, assim como pra mim, poucos segundos menos que 24 horas para que todos possam gerir, e eles me dizem que não possuem tempo? Sei que não devia falar sobre isso, esses assuntos são delicados, e bem que já esquivei de algumas conversas com essa desculpa "Estou sem tempo agora, talvez mais tarde", mas... Não existe "mas". Talvez esses empresarios tenham começado como eu: "Hoje estou sem tempo, mas que tal amanhã?", e, disso, evoluiu para algo do tipo "Sou um homem ocupado; você deve entender isso". O que eu devo entender? Devo entender que o dinheiro é, para eles, mais importante que a família? Que a carreira é prioridade? O que, meu Deus, eu devo entender? Não compreendo o que tentam botar em minha cabeça.
        Pessoas não são mais pessoas. O que eu vejo na rua, aqueles que ignoram os gritos aflitos das crianças de rua, os que dizem não ter tempo, são algo tão superficiais no sentido de "sentir" que acho que eles não são mais humanos. Eles são mais como... máquinas. Robos. Robos que não se cansam. Desde quando os homens tornaram-se robos? Acho que desde que criaram... a falta de tempo.
        Agir como se não entendesse o que isso significa, é pura hipócrisia. Você entende muito bem que, atualmente, o dinheiro está em primeiro lugar na vida de muitos... talvez até da sua. Ou da minha. Não, não da minha, já que não tenho qualquer fotne de trabalho, ainda estudo. Mas, certamente, é a prioridade de muitos, o dinheiro. A agenda deles estão cheias, e você... não consta nela. As relações já não possuem importância.
        Até quando o dinheiro substituirá as pessoas?

---------------------------------------------------------------------------


Procuro não entrar muito em assuntos desse tipo, mas resolvi quebrar minha própria regra. Só acho que esse é um assunto muito complexo para ser retratado em apenas um texto, e um texto de alguém totalmente "despreparada para a vida".
Novamente, não consegui um bom titulo pra postagem.
Daqui a algum tempo postarei o penultimo capitulo do conto.
Até outro dia.


Kissus'

Um comentário:

  1. Dinheiro,dinheiro, é triste pensar que a vida de muitos gira entorno disso nee-chan ....
    nada de diversão,nada de amor,nada de descanço,sempre existe algo ,alguma obrigação que é para conseguir MAIS dinheiro! É triste

    eu gostei do texto one-chan
    Kissus

    ResponderExcluir