***

        Eu poderia dizer que não me importo com as pessoas. Mas me importo muito.  Sinto uma pontada no fundo do estômago, quando vejo crianças nas ruas, e meu pai simplesmente ignora seus lamentos. Sinto pena das pessoas que se forçaram a tornar-se frias, por causa do mundo. Sinto pena de tudo e de todos. Quase não tenho forças pra sentir pena de mim própria, que, de algum jeito, nunca consegui ser eu mesma - isso se eu soubesse quem sou. É dificil ver o mundo girar, porque você vê que as outras pessoas são muito melhores que você e dão mais orgulho aos familiares. Eu acho que é isso.
        O mundo bem que poderia fazer todos iguais, assim não haveria comparações.
        Odeio comparações.
        Se for me comparar, desista antes de fazer isso. De repente, quando sou comparada, torno-me alguém que não controlo. Ignoro a pessoa como se ela não existisse, e não tenho mais força de ser sincera com ela.
        Então, não me compare.
        Não sei cozinhar, não uso vestido, não sou organizada e gosto de bagunça. Essa sou eu. Gosto de heavy metal, e de bandas de vinte anos atras. Gostaria de ter cabelo com mechas azuis, e tenho habitos estranhos. Já me joguei da escada, tentando voar; e já abri uma lesma pra ver o que tinha dentro. Vejo dissecação de animais, com a maior atenção; e sei tudo sobre conspirações. Sim, essa sou eu.
        Desculpe.
        Desculpe por ser insuportavelmente eu.
        Não dá pra resistir. É uma força maior que eu, acho. Mas... Uma pessoa é feita, é simplesmente, o que ela faz? Eu sou o que faço; o que gosto?
        Sentimentos já não valem?

        Ainda não entendi porque busco tanto por algo abstrato... Eu já devia ter aceito que as pessoas já não ligam pra isso. Devia ter aceito; aceitar não é igual a querer ser igual, sabia? Aceito as pessoas, mas nunca - nunca -, mesmo com tudo de bom que elas são (de tudo que elas fazem tão melhor que uma mera garota que gosta de escrever, que disseca todos os pilares da existencia e que julga de acordo com seus proprios artificios), eu prefiro ser eu. Não quero ter de dizer que me tornei uma de... vocês.
        Não quero, mesmo, me ver igual a alguém que ignora o choro de uma criança. Que mata seu próprio filho. Que estrupa uma senhora de idade. Que corta a cabeça de duas adolescentes não tão inocentes, mas humanas. E que... ignora sentimetos.
        Desculpa a generalização, mas todos perderam a essência do existir. Não sei porque não há mais suicidios do que homicidios; aliás, acho que isso é o que mais preocupa, de alguma forma. Isso deve significar que as pessoas estão satisfeitas em sofrer; suicidar-se é covardia, mas ao menos demonstra que alguém está insatisfeito com sua dor. Sentir dor é ruim, eu acho. Estar satisfeito com ela deve ser pior ainda.

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. O mundo pode ser tão triste .... me importo com essas pessoas que sofrem nas ruas e não merecem estar ali ... é injusto ..


    Kissus nii-chan

    ResponderExcluir
  3. tb a vi , mas a Chii apareceu por um tempo minusculo ... (eu acho... ja q só assisti até o 7º episodio e pulei pro penúltimo kk)

    ResponderExcluir
  4. ual vc é fodah e oque vc escreve além de ser real... tambem é fodah... eu achei tão legal a parte da lesma eu adorava fazer isso e isso é tão fodah!!!

    ResponderExcluir
  5. odeio ser comparada, principalmente com minha irmã... acho q é inveja mesmo kk .
    Eu tb queria ter o cabelo azul *-*, e desde que eu aprendi a ignorar os "filha, usa essa roupa aqui. essa q vc escolheu é mt feia pra ocasião" nunca mais usei vestidos e saias... sem contar que, nas tentativas de usar eu ficava toda esparramada com as pernas abertas como um garoto KK.

    As pessoas são muito invejosas e descontentes com quem são hoje em dia, por isso tem muita gente falsa por aí...

    ResponderExcluir