Pequenos versos, dores, soldado.

Que vida! Você se foi hoje, atrevida,
Que ontem, parecia tão cheia, de vida,
Que escondia dores, hoje esquecida,
Que parecia a meu lado, hoje dividida.


Que vida, ao som de tambores,
Ressoavam, dá duvida os temores,
Queria amar e morrer nesses amores,
Mais (para meu prazer) , baquetas enfiaram em tambores.


Que vida! Vida! Diabo cigano
Queria fugir, meu encanto.
Fugir para longe, talvez, não este tanto.
Estou morto sobre pranto


Que vida! Vadia!
Se não fosse a luz o dia,
Que me esmaga, me queima, me cria,
Pólvora negra, harmonia (sons de tambores me guia).


No cair lenta nota,
Encontro minha frota, toda morta.
Que vida, vida! O caminho foi errado
Cai, tentações, povo ingrato que fardo,
Sinta, sinta! Morri com seu brado,
Mas terei meu povo desgraçado.

                                                          - Pedro S. <3

Nenhum comentário:

Postar um comentário