Agora, ignorada

Sentia um desejo avassalador de contato humano, um simples abraço. Agora via o quanto seu tempo fora perdido: enquanto todos se amavam, ela preocupava-se com futilidades imbecis. Sentia-se, então, inutil.
       Houvera oportunidades - muitas; talvez centenas - mas estas já passaram, como todo o resto. E agora só lhe restava a companhia da tola solidão, tão sagaz e cruel quanto o passado, rindo de tudo, fazendo tudo rir - daquela mulher idiota. Inútil. Fútil. Agora, depois de tarde, se arrependia de ter desistido tantas vezes, e de tantas coisas, de tantas pessoas. Sentia-se boba. Antes, achava que tudo era à base daquilo que ela conseguia explicar com palavras técnicas e seu cientificismo adulto, e ela mesma, agora, percebia que esse fora seu erro fatal: esquecer-se de não tentar entender aquilo que não pode ser entendido. Achava que o amor era para os irracionais, mas não percebeu que sua irracionalidade superava a de todos; enquanto as pessoas - as bilhões de pessoas - aceitavam, acreditavam, honestamente no amor, ela fingia: fingia não sentir, não ver, não crer. Mas continuava crendo, mesmo ignorando. Agora, é a vez dela ser ignorada... porque o amor não espera.
        O amor ama, mas não espera.


----------------------------------------------------------------


Então... oi? Quanto tempo não posto, não é? Desculpem-me, mas nem desculpas eu tenho, dessa vez (rs). A verdade era que - e lá vai eu tentando me desculpar de novo - eu havia escrito um texto (um texto de verdade, ok? Melhor que esse de cima, ao menos); o escrevi numa folha de caderno, e, simplesmente, não acho-a mais! Estou pirada da vida, sério. Acho que terei de escrever o texto de novo. Já esse ai de cima, não escrevi recentemente. Deve ter uns 4  anos, ele. Achei-o em uma antiga agenda minha, perdido entre as diversas páginas cor-de-rosa (uma cor que nem prezo). Pois bem. Quando eu achar o outro texto - o texto de verdade xD -, posto-o.

    OBS.: A volta dos titulos que não deviam ter voltado... Preste atenção no titulo da postagem, e nos que eu usava antigamente, e perceberá uma semelhança: eu não progredi nem um pouco, no fator ela-é-criativa-com-os-titulos.

Bai bai.
       

Um comentário:

  1. Aah, na verdade achei que os títulos estão ficando mais profundos até! Sério que esse texto tem 4 anos? Waa... Ele parece mais com a atual Shizuka.
    Ansioso pelo 'texto de verdade', se bem que os meus textos de verdade são mais parecidos com esse que você postou D:

    Annyeong, onee-sama~ (◦^⌣^◦)

    ResponderExcluir